Logo fundo BrancoPT: SlidePrancheta_APT: Via Romana - Visite o Gerês e faça parte da NaturezaPT: SlidePrancheta_BPT: Programa Anual de Caminhadas Guiadas - Viver Gerês 2014PT/EN: Albufeira de Vilarinho da Furna

Cozido de couves em dezoito restaurantes


 

Município de Terras de Bouro e a Entidade Regional de Turismo do Porto e Norte de Portugal promovem, no próximo fim-de-semana, a 26 e 27 de Março, em dezoito restaurantes do concelho, o tradicional “Cozido de Terras de Bouro”, também conhecido por “Cozido de Couves com Feijão”. 

 

Cozido com couves

A proposta gastronómica tem por paisagem o Parque Nacional da Peneda-Gerês. Serra, Via romana, miradouros, como o da Pedra Bela, artesanato em Covide ou no Gerês, visitas ao Museu de Vilarinho da Furna, devoção religiosa em S. Bento da Porta Aberta, diversão aquática ou puro desfrute em Rio Caldo, na marina, uma hora pela albufeira no barco do Município - uma oferta em restaurantes aderentes, limitada aos lugares disponíveis, para duas saídas e só no domingo, 15,30 horas e 16,30 horas).
Outras alternativas possíveis são os passeios a Santa Isabel do Monte a caminho da Abadia ou o do Bom Jesus das Mós, em Carvalheira, ou compre o chá do Gerês.


Gastronomia, lazer e cultura “andam aqui” de mãos dadas na certeza de que a visita a Terras de Bouro/Gerês enriquece o espírito de qualquer citadino, redobran do-lhe as para enfrentar o bulício da cidade e a ideia de que, quanto antes, voltará à serra do Gerês

A originalidade dos ingredientes e da sua confecção dão origem a uma genuína e ancestral refeição minhota que faz lembrar um dos modos alimentares do campo nos tempos idos e que, hoje, é considerado um manjar de gente rica e amiga do mundo rural que aproveita a apresentação desse festival gastronómico para “matar sauda-des” da vida do campo, através da degustação de uma refeição feita de produtos vindos da horta.

A sua confecção e os temperos como o azeite e os pedacinhos de alho fazem o resto. 
O modo de confeccionar é conhecido por “cozedura monumental”, pois as carnes são colocadas a cozer num pote e, depois, é que se lhe juntam as couves galegas traçadas, frescas da horta, e o feijão amarelo, também difícil de encontrar, pois é originário das terras altas e frias, o qual, também é cozido.

O gosto do azeite em abundância e os dentes de alho, dão-lhe um paladar especial. 
Propõe-se, à sobremesa, a aletria, ou as rabanadas, completando a refeição do lavrador em dias de grandes serviços no campo ou de festa.